Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Lavandaria

por Jorge Fiel

Lavandaria

por Jorge Fiel

07.09.09

Os tipos da Groundforce são uns palhações!

Jorge Fiel
Ah, já me ia esquecendo que os diários desta excursão a Paris não ficariam completos sem uma referência elogiosa à Air France. O autocarro da linha 69 da RATP não tem, por isso, o monopólio das referências positivas no domínio dos transportes.Marquei a viagem com pouca antecedência e para um mês em que há muita procura, em particular das famílias dos nossos compatriotas que vivem e trabalham em (...)
03.09.09

Longa vida ao 69!

Jorge Fiel
 Não ficaria de bem comigo se concluísse estes diários parisienses sem deixar aqui lavrado um sentido agradecimento aos valiosos serviços prestados pelo autocarro da linha 69 durante os cinco dias que durou esta nossa estadia em Paris.Não houve um dia sequer que fosse em que não embarcássemos a bordo deste fiel companheiro, que atravessa Paris, desde Gambetta (junto ao Père Lachaise), até ao Champs Mars (...)
02.09.09

Sete coisas que não fiz mas gostaria de ter feito

Jorge Fiel
Cinco dias em Paris é melhor do que quatro dias em Paris - mas é pior que seis dias em Paris. Vem esta evidência lapaliciana a propósito das coisas que não fiz durante esta viagem e gostaria de ter feito.Para memória futura, compulso numa lista as minhas faltas de comparência:1.     Lamentavelmente não embarquei na roda gigante que está instalada entre as Tulherias e rue de Rivoli. É imperdoável, (...)
01.09.09

A última refeição na rue Dauphine

Jorge Fiel
Para nos servir a última refeição desta investida sobre Paris escolhemos um restaurante tipicamente francês, como próprio nome indica: o Sushi 6, no 10 da rue Dauphine, na Rive Gauche.Concordo que teria sido mais adequado e tipical umas cuisses de canard, ou até o mesmo um croque monsieur (o antepassado que está para a nossa gloriosa francesinha como o homem de Neandertal para o Homo Sapiens), mas a vida é (...)
31.08.09

Falhei uma vez mais a compra da Cruz de Guerra de Operações no Exterior na La Monnaie de Paris

Jorge Fiel
Vagabundeávamos pelo Quai Conti, ao início da tarde da 3ª feira, 11 de Agosto, ainda antes do almoço (o petit dejeuner tinha sido tardio e caro) quando decidi emprestar uma dimensão pessoal à célebre afirmação de Kal Marx, no seminal 18 de Brumário de Luís Bonaparte, de que a História se repete, a primeira vez como tragédia, a segunda como farsa (comédia, nalgumas traduções).Aqui há uns anos, (...)
30.08.09

Flanando pelo boulevard Saint Germain

Jorge Fiel
Decididos a não pagar a portagem de duas horas de espera para entrar no Musée d’Orsay, mantivemos o sangue frio e, reunidos a bordo do autocarro da linha 69, rapidamente decidimos que o Plano B adequado ao início da tarde do último dia da nossa estadia em Paris (3ª feira, 11.08.09) seria flanar um bocado pelo boulevard Saint Germain – e agimos em conformidade desembarcando logo no arrêt seguinte: (...)
29.08.09

Fila de acesso ao Museu d'Orsay dava tantas voltas que até parecia um intestino (o grosso e o delgado)

Jorge Fiel
Rever o retrato do dr Gauchet, o quarto de Van Gogh em Arles, e a igreja de Anvers-sur-Oise vale uma espera, estóica e militante, de duas horas para um tipo se munir de um bilhete de entrada no Musée d’Orsay?A resposta a esta pergunta não é simples, porque se está a falar daquele que é o meu (e não só) museu favorito, predilecto e preferido de Paris - em particular da sala 35 onde estão expostos mais (...)
28.08.09

Reflexão motivada pelo pequeno almoço sobre as consequências funestas da passagem do meio dia

Jorge Fiel
O meio dia divide cientifica e legalmente a manhã da tarde, mas pode ter consequências bem mais funestas do que a passagem do “Bom dia” para a “Boa tarde”, como eu tive oportunidade de comprovar no final do pequeno almoço (tardio) de terça-feira, dia 11 de Agosto de 2009, último dia da expedição a Paris, que aqui tem sido narrada com algum detalhe (porventura excessivo, mas não podia (...)
27.08.09

Sete coisas que aprendi sobre Gustave Eiffel

Jorge Fiel
Estivemos uma boa meia hora à espera na fila, mas não nos queixamos. Valeu a pena - apesar de estarmos com a barriga vazia. Como a entrada era gratuita, e a Mairie de Paris gosta de assegurar que as pessoas têm espaço para saborear as mostras que promove, havia bicha para entrar na exposição Gustave Eiffel, le magicien du fer, patente até amanhã no Hotel de Ville.Feitas as malas (e arrumadas num cacifo do (...)
26.08.09

Onde se usa uma situação real para demonstrar a justeza do meu pó aos transbordos em Châtelet

Jorge Fiel
Não sei se já vos disse, mas tenho algum pó à operação subterrânea de mudança de linha na estação Châtelet. Tanto pó que estou sempre disposto a fazer tudo ao meu alcance para evitar ter de a fazer.A noite em Paris estava boa, era a última (espero sempre que não a derradeira), pelo que quando chegamos à entrada para o metro St-Michel, os nossos caminhos bifurcaram-se. O Funano, a Titi e a meninas, (...)