Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Lavandaria

por Jorge Fiel

Lavandaria

por Jorge Fiel

Qua | 24.12.08

Revistas cor de rosa facilitam trânsito intestinal

Jorge Fiel

O que se deve ler na casa de banho? Eis uma pergunta judiciosa, a que não me esquivo de tentar encontrar resposta.

Em primeiro lugar, devo desaconselhar vivamente leituras demasiado densas. Apesar de não haver ligação directa entre o que se passa cá em cima e lá em baixo, a verdade é que o corpo é o mesmo e não convém abusar dele, exigindo-lhe muito ao mesmo tempo.

Aqui há umas semanas andei uns dias com o intestino preso, fenómeno que atribui a um excesso de fluxo de sangue à cabeça ocorrido enquanto estava sentado no trono a ler o The Captive Mind, de Czeslaw Milosz (Penguin Classics, 65 zlotys), um interessante livro onde o Nobel polaco analisa a maneira como os regimes tiranos instalados no Leste, no final da II Guerra Mundial, conseguiam fazer reféns os seus intelectuais.

A inteligência denúncia dos mind games do estalinismo não facilita o trânsito intestinal, pelo que deve guardar essas leituras que exigem a nossa concentração a 100% para outros locais, como por exemplo uma deck chair do Lais de Guia num dia solarengo de Outono.

No meu entender (que, como todos já repararam, não é modesto), a leitura ideal de casa de banho são revistas cor-de-rosa.

Saber o que Ricky Martin passou para ser pai não perturba o labor intestinal, pois todos nós desconfiamos que a coisa contemplou umas sempre agradáveis cambalhotas com um moça saudável (a promitente mãe) -  a não ser que a obediência sexual do rapaz seja outra e tenha, por isso,sido obrigado a recorrer à inseminação artificial ou à adopção de um casal de gémeos do Burkina Fasso infectados com sida.

Saber que a Judite e o Carlos do Carmo estiveram "mesmo" para se separarem não prejudica a função evacuadora, pois todos nós desconfiamos que durante 44 anos de um casamento que atravessou os anos 60 e a Revolução de Abril, o gabiru do fadista deve ter-se fartado de pular a cerca.

Saber que a Isabel Angelino confirma a relação com o cirurgião plástico Ângelo Rebelo, e "está muito feliz", não introduz ruído no processo de satisfazer as nossas necessidades fisiológicas de carácter sólido,  pois todos nós desconfiamos que qualquer quarentona daria pulos de satisfação se ganhasse na cama o acesso gratuito a lipoaspirações e correcções mamárias.

Lux, Caras, Nova Gente, Flash, a Hola (se está mesmo interessado num jet set à séria) são por isso companheiras indispensáveis a ter ao lado da sanita.

Ler as revistas cor de rosa no trono permite-lhe estar actualizado com as fofocas (o que pode revelar-se útil, quando menos espera, pois ninguém está livre de se ver na contingência de fazer conversa com uma mulher graficamente atraente mas não particularmente dotada do ponto de vista intelectual) sem ter de pagar os custos de imagem daí decorrentes: na casinha não está lá ninguém a testemunhar este acto comprometedor.

 

4 comentários

Comentar post