Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Lavandaria

por Jorge Fiel

Lavandaria

por Jorge Fiel

Qua | 08.10.08

Chuto calórico contra o desânimo no McDonald's da esquina da Solidarinosci com a Jana Pawla II

Jorge Fiel

 

O triplo sentimento de perda  (avião, tarde e Nintendo)  que se apoderou de nós à chegada ao hotel,  não foi suficiente para nos demover de uma primeira expedição de reconhecimento a Varsóvia, cidade que a Isabel, o Pedro e o João visitavam pela primeira vez (em termos absolutos) e onde eu estava pela primeira vez desde a última vez que lá tinha ido, em Janeiro de 2006.

Tratou-se de uma expedição nocturna e de natureza integralmente pedestre que decorreu num ambiente geral de funeral pela perda da Nintendo do João –  que chorou tão copiosamente como a polémica Madalena, expressando assim o seu arrependimento pelo esquecimento, bem como o luto por um brinquedo novo de dois meses pelo qual ainda estava perdidamente apaixonado.

Apesar de planos, os dois quilómetros e meio (talvez até mesmo três….)  da Al. Solidarinosci que separam  o Ibis Centrum da Stare Miasto (Cidade velha) revelaram-se longos e fatigantes demais para a nossa disposição e pernas.

Na esquina com a Jana Pawla II (acho que nunca me irei habituar ao abichanamento que os polacos fazem dos nomes), fizemos um “stop over” no McDonald’s onde combatemos o desânimo com doses generosas de batatas fritas (excessivamente salgadas) , Coke Zero (1) e hamburgers gordurosos.

O “chuto” calórico administrado no McDonald’s  foi barato e razovelmente eficaz. O que conjugado com a noite abafada (a frase “Tomaramos nós ter tido uma noite assim tão quente nos 15 dias que passamos no Zavial” recolheu o consenso)  acabou por  fazer o ânimo geral regressar a terreno positivo.

Quando visitou Varsóvia no final da Segunda Guerra Mundial o general Einsenhower produziu o seguinte comentário: “Vi muitas cidades destruídas, mas em nenhum outro lugar me foi dado a ver uma tal cenário de destruição”.

Mais de 60 anos depois deste comentário, ficamos de bem com a Humanidade ao vagabundear à noite pela Rynek (praça)  da Stare Miasto e pelas ruas que a circundam, com as bonitas fachadas coloridas e decoradas (Europa Central “style”)  que até parecem estão ali de pé desde o século XVII.

A noite quente estava muito agradável , com as esplanadas da praça cheias de gente animada a deitar abaixo copos generosos de cerveja, e as ruas muito iluminadas e cheias de gente com pouca roupa, confirmando-se assim imensa justeza da lei de que o mercúrio dos termómetros e o comprimento das saias variam em sentido inverso.

Antes de empreendermos o regresso (pedestre) ao Ibis, ainda estacionamos numa esplanada na Plac Zamkowy, a beberricar Zywiec (popular marca de cerveja polaca do grupo Heineken) enquanto pastávamos a paisagem, onde se destacam a coluna encimada pela estátua de Segismundo  (nome que nunca atribuiria a um filho meu!) e o belo Castelo Real, que, como quase tudo o resto que existe Varsóvia, foi destruído e reconstruído pelo menos umas três ou quatro vezes.

O retorno foi penoso. Um mal nunca vem só. E neste caso, juntou-se um quarto mal aos três males que já tínhamos sofrido –as All Stars (falsas) do João revelaram-se desajustadas a grandes caminhadas com tempo quente.

A idiota reflexão de travesseiro que já vos revelei, não foi o meu único pensamento antes de mergulhar nos braços de Morfeu. Adormeci a repetir o mantra “Amanhã é outro dia”.

 

…………………………..

(1)  Mais tarde, não deixarei de expressar, em termos vigorosos, aqui na Lavandaria, a minha completa e total oposição ao facto da Coca Cola Company estar a aplicar secretamente uma política criminosa de “Solução Final”, exterminando a Coke Light para promover em seu lugar a ariana Coke Zero. Ainda esta semana constatei na Casa das Sandes do Península que na bica dos refrigerantes a Zero tinha substituído a Light.

 

 

 

 

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Jorge Fiel

    10.10.08

    Preclaro Zé da Póvoa

    É assim mesmo. Folgo muito em saber que o meu preclaro amigo continua a ser da linha dura.

    Olhe, eu amoleci e passei a gostar de Coca Cola. Sabe-se lá o que virá a seguir :-)

    A bem da Nação!
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.