Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Lavandaria

por Jorge Fiel

Lavandaria

por Jorge Fiel

Qua | 08.09.10

Compreender a casa futebolística do Frankenstein

Jorge Fiel

A minha esplanada preferida a sul do Mondego (a norte há a do Shis, na praia do Ourigo, que faz o meu coração balançar) é a do Centro de Interpretação Ambiental da Ponta do Sal, em S. Pedro do Estoril. Ser um tudo nada ventosa e apenas acessível a quem circula de carro no sentido Cascais-Lisboa (quem for na outra direcção tem de ir dar a volta a S. João do Estoril) são os únicos inconvenientes desta magnífica esplanada onde passei a manhã, a ler os jornais desportivos (preparação para a gravação, à tarde, da minha primeira participação no programa Sacanas Sem Lei do Canal Q) e a escrever, à mão, a crónica de amanhã para o Diário de Notícias – não tinha o computador comigo e estava a apetecer-me deixar-me estar por lá mais um bocado. Bebi um café e uma água das Pedras que me custaram 2,5 euros. Dou esse dinheiro por bem gasto, bem como os 80 cêntimos aplicados a comprar A Bola, onde aprendi, lendo a coluna de Luís Freitas Lobo, que o problema da nossa selecção é ser “o produto de um encruzilhada temporal” e que o drama pessoal do Carlos Queiroz é ser “incapaz de compreender a casa futebolística do Frankenstein”.

6 comentários

Comentar post