Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Lavandaria

por Jorge Fiel

Lavandaria

por Jorge Fiel

Seg | 01.02.10

Memória de noites mal passadas

Jorge Fiel

 

Uma cerveja num pub em Moscow Road foi o pretexto para uma pausa num dia em que já tínhamos dado bastante uso às solas dos sapatos, percorrendo Portobello de alto a baixo, pela manhã, e começando a tarde a passear em Queensway.

Como era sábado e estávamos a três semanas do Natal, tomamos a decisão acertada de investir o resto da tarde no West End, impregnando-nos do ambiente que presumíamos seria buliçoso das compras de prendas - e aproveitando para inspeccionar a qualidade das iluminações, cuja instalação tinha sido contratada à firma Castro, de Espinho.

Pegamos num autocarro em Bayswater que terminou o seu percurso em Marble Arch, porque os cerca de três quilómetros das Regent e Oxford Street estavam, do meio dia até às sete da tarde, reservados aos VIP (Very Important Pedestrian).

Foi portanto como VIP que desembarquei em Dezembro de 2009 em Marble Arch, em frente ao célebre Hotel Cumberland, local que me trás à memória recordações de noites mal passadas (mas pelos maus motivos) em anteriores visitas a à capital inglesa.

Em Agosto de 1972, quando Londres me conheceu, pernoitei em três locais diferentes:

1.     Um generoso canto de relva que transborda para fora dos muros de Hyde Park, muito frequentado por jovens turistas estrangeiros como eu. O grande inconveniente é que todas as noites, invariavelmente às três da manhã (os ingleses sabem ser pontuais), o pessoal todo era acordado por uma ronda da polícia, que gentilmente nos informava que não podíamos ficar ali a dormir. Nós espreguiçava-nos, começávamos a embrulhar os sacos camas, dando palha aos animais ao fingir estarmos a acatar a ordem. Quando nos viam com as mochilas quase prontas, os bófias continuavam a ronda. Mal viravam costas, nós enfiávamo-nos de novo nos sacos cama e dormíamos até que o nascer do dia e o barulho dos automóveis nos anunciassem a precoce chegada de um novo dia;

 

2.     Um banco de Marble Arch. À quarta noite, farto de ver o meu sono interrompido a meio por polícias gentis, em má hora resolvi experimentar um banco de jardim em Marble Arch. Passei uma péssima noite porque o assento do banco inclinava muito para dentro. Uma experiência que não repeti e me deixou mal humorado e com o corpo dorido;

 

3.     Um albergue de juventude onde era possível dormir de forma indolor e de um sono só, mas cujo custo, apesar de diminuto, obrigava a desviar para a rubrica os pennies orçamentados para as rubricas alimentação e transporte, pelo que tivemos de passar a satisfazer estas necessidades básicas à margem da lei.

A caminho do West End, tarde de sábado 5 de Dezembro 2009

2 comentários

Comentar post