Sexta-feira, 19 de Fevereiro de 2010

Eu sou um homem, portanto um animal de hábitos

 

Eu sou um homem, portanto um animal de hábitos, pelo que sempre que ponho o pé no estrangeiro sinto-me compelido a observar determinados rituais, dos quais destaco os principais:

1.     Enviar diariamente um postal ilustrado para a minha filha mais velha, que mora em Los Angeles, e para o meu filho mais novo que vive comigo, e, por isso, oa quem os postais chegam por norma depois de nós e das prendas, mas é uma tradição que eu achei por bem estabelecer após de me fartar de o ouvir queixar-se que era o único lá em casa que não recebia correspondência, não percebendo, na sua doce inocência, que isso constitui uma enorme vantagem, porque a maior parte das coisas que aterram na caixa do correio são duas variantes de junk mail: lixo propriamente dito (cartas do Rui Rio no ano das autárquicas, catálogos da Moviflor, promoções do Lidl e da Telepizza, cartões de visitas de picheleiros e canalizadores, etc)  ou contas para pagar, multas ou missivas ameaçadoras de uma misteriosa Intrum Justitia, que calculo seja o braço português de uma multinacional de origem siciliana com fortes ramificações e implantação dos Estados Unidos, imortalizada no cinema pelo Coppola. É aliás por este motivo que não mando postais para o meu filho do meio. No magnífico andar junto à praia onde ele reside cultiva-se a atitude da avestruz face ás contrariedades pelo que se perdeu o hábito de ir ao correio;

 

2.     Comprar magnetos, que posteriormente enriquecem um já vasto memorial que decora o frigorífico do meu apartamento;

 

3.     Adquirir uma caneca decorada com um motivo local.

Vêm estas pequenas confissões a propósito da compra que fiz de uma caneca, com a reprodução da nota de 20 libras (onde consta uma foto da Isabel II que foi com toda a certeza tirada no ano em que o Hitler anexou a Áustria),  e de dois magnetos (com as notas de 20 e 5 libras) que fiz na loja do Museu do Banco de Inglaterra.

Fui à loja do Museu do Banco de Inglaterra ao cheiro de uns pisa papéis feitos a partir de notas de libra (presumo que reproduções), mas a simpática ex-cidadã da URSS (estive para escrever russa, mas tenho de admitir que a moça pode ter vindo a este mundo na Ingúchia, Ossétia, Uzbequistão ou até mesmo no Nagorno-Karabakh) explicou-me simpaticamente que não havia disso.

Já que lá estava, dei uma vista de olhos pela loja, comprei a caneca e os magnetos por 6, 90 libras  (uma pechincha pois trouxe reproduzidas notas no valor global de 45 libras), e ainda aproveitamos para dar um giro pelo museu, pois a entrada é gratuita. Valeu a pena.

Bank of England Museum, manhã de 2ª feira, 7 de Dezembro 2009

música: A well respected man, Kinks
Tags:
publicado por Jorge Fiel às 18:08
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Quinta-feira, 18 de Fevereiro de 2010

Reflexão sobre o time e o weather

 

O tempo é muito importante para os ingleses, como se pode aquilatar pelo facto de dedicarem palavras especializadas a duas realidades diferentes que nós, portugueses preguiçosos, arrumamos no interior da mesma palavra.

Para os bifes, que para além de mais pontuais são muito mais rigorosos do que nós, há o “time” e o “weather”.

“Time” é o tempo medido pelo relógio e o vocábulo que deu origem à célebre frase “time is money”, máxima que os desempregados acusam de mentirosa, porque na sua generalidade andam tesos como virotes apesar de serem ricos em tempo livre, o que coloca em cima da mesa uma das contradições fundamentais da nossa sociedade - os que ganham muito andam sempre tão atarefados que se queixam de nem ter tempo para gozar e gastar o dinheiro, enquanto que o pessoal que dispõe de tempo à ganância tem, por norma, os bolsos vazios.

“Weather” é o tempo do Boletim Metereológico e um dos desbloqueadores de conversa preferido pelos ingleses, o que até se compreende atendendo aos elevados volumes de precipitação registados nas Ilhas Britânicas, o que, entre outras coisas, os levou a cunhar a feliz expressão “it is raining cats and dogs” – o que, sossego desde já todos os simpatizantes da SPA menos familiarizados com esta expressão, sucede apenas no sentido figurado.

Ao longo desta estadia em Londres, que entra agora no seu terceiro dia, o tempo/weather  tem andado tem-te não caias, chovendo todos os dias mas com parcimónia, raramente atingindo uma torrencialidade que impeça os nossos passeios – apesar de os poder tornar um tudo nada mais desagradáveis.

O dia amanheceu cinzento mas seco, não ameaçando por isso os nossos planos para uma manhã a dar água sem caneco pela City. Até devo dizer que o céu plúmbeo ainda tornou mais fotogénicos os arranha céus de aço de vidro mais famosos da zona, como as sedes da Lloyds e da Swiss Re.

City, manhã de 2ª feira, 7 de Dezembro 2009

música: Set me free, Kinks
Tags:
publicado por Jorge Fiel às 18:08
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 17 de Fevereiro de 2010

O céu não conseguiu controlar as emoções

 

Domingo à tarde rima com Hyde Park, onde fizemos uma longa promenade com entrada pela Lancaster Gate, em Bayswater, saída junto ao monumento que a Vitória mandou fazer em memória do seu querido Albert, após termos bordejado a Serpentine e termos feito uma escala técnica na Gallery.

A coisa seria mais animadora se o tempo estivesse melhor e o céu não estivesse com um ar que hesitava entre o amuado e o zangado, até que decidiu desatar a chorar, interrompendo o nosso esforço de, com a ajuda do guia DK de Londres, absorver todo o esplendor do Albert Memorial aprendendo o significado de cada um dos muitos motivos que o adornam.  

Refugiamo-nos no Royal Albert Hall, opção que se teria revelado muito mais promissora se não se desse o caso da cafetaria estar vedada ao público por causa do Master de ténis, obrigando-nos a esperar cá fora que o céu conseguisse controlar as emoções. De noite e com frio, as fachadas molhadas de brick não são muito estimulantes.

Ficamos tão tristes como o dia, que acabamos recolhidos no quarto, a ver televisão e a jantar em regime de piquenique os víveres adquiridos no Marks & Spencer de Liverpool St Station - sandes de peru e presunto, bem como porções de queijo tudo empurrado por um sauvignon blanc chileno. Amanhã iria ser outro dia.

Hyde Park, tarde de domingo, 6 de Dezembro 2009

música: Sunny afternoon, Kinks
Tags:
publicado por Jorge Fiel às 18:08
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 16 de Fevereiro de 2010

Onde se diz mal do mercado de Petticoat Lane, que é uma feira de Espinho rasca em formato XXXL

 

O mercado de Petticoat Lane – simpática toponímia herdada do tempo dos refugiados huguenotes, que o duvidoso gosto anglo-saxónico rebaptizou Middlessex Street – não tem muito que se lhe diga. É uma feira de Espinho ou de Carcavelos em formato XXXL que apenas merece uma visita só para ficarmos habilitados a inclui-lo na lista dos mares já dantes navegados.

Petticoat Lane é o lado mais pobre e rasca da oferta do East End nas manhãs de domingo, em que os elos mais fortes são o mercado de flores de Columbia Road e o trendy (e coberto) Spitalfields Market – para já não falar na feliz combinação entre tendas de rua e lojas de tijolo da Brick Lane, celebrizada por Monica Ali (o titulo da tradução portuguesa, “Treze rios, sete mares”,  apesar de algo poético revela-se profundamente desnecessário), uma experiência que tem a sua dimensão sensorial no cheiro a caril que emana dos restaurantes com comida bengali, indiana ou paquistanesa.

Como era domingo de manhã, em vez de irmos papar uma missinha na Christ Church (considerada a mais bonita das seis igrejas riscadas por Nicholas Hawksmoor, o que acredito ser verdade, tanto mais que não conheço as outras cinco), cumprimos religiosamente o percurso pela zona - com ida e volta a Liverpool Street Station - sugerido num folheto oferecido numa livraria de Brick Lane especializada no East End, o que nos permitiu concordar em absoluto com o gosto dos yuppies que estão a recuperar as casas de Fournier Street, outrora habitadas pelas sucessivas vagas de refugiados franceses, judeus e bengalis que por aqui se foram acoitando.

Na volta, o AC fez bem ao comprar para a Margarida um magnífico chapéu de coco (igualzinho ao Hercule Poirot e ao dos gémeos Dupont e Dupond) no Spitalfields Market e tentamos sem sucesso beber um pint no célebre pub Ten Bells, onde, mesmo depois de cortarmos as unhas rentes, nem com calçadeira conseguíamos entrar.

East End, manhã de domingo, 6 de Dezembro 2009

música: Dedicated follower of fashion, Kinks
Tags:
publicado por Jorge Fiel às 18:08
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 15 de Fevereiro de 2010

O ancestral método do mete e tira aplicado ao pinheirinho de Natal em Columbia Road Market

 

A manhã de domingo 6 de Dezembro de 2009 ficará para sempre gravada na História da Humanidade por ter assinalado a minha estreia absoluta no mercado de flores de Columbia Road.

O dia estava frio mas bonito e ensolarado, pelo que decidimos usar os nossos próprios meios de locomoção para fazer o percurso entre o Ibis, em Commercial Street, e o mercado, subindo a Brick Lane onde os mais madrugadores feirantes já começavam a montar as suas tendas.

O mercado de flores acolheu-nos com um sorriso muito colorido e estava a abarrotar de compradores do pinheiro de Natal. Desta incursão há assinalar que os espertos vendedores recorrem ao método ancestral do mete e tira para acondicionar o pinheirinho dentro de um preservativo, que facilita muito o transporte.

Muito engenhoso o método que consiste em meter o pinheiro em toda a sua exuberância dentro de uma espécie de balde sem fundo (ver foto acima) transformado em vagina e previamente equipado com o plástico embalador. Simples, eficaz, prático e com um je ne sais pas quoi de erotismo que só valoriza a operação.

 

Columbia Road Market, manhã de domingo, 6 de Dezembro 2009

música: You really got me, Kinks
Tags:
publicado por Jorge Fiel às 18:08
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 11 de Fevereiro de 2010

Paperback lover

 

Nos paperbacks amo praticamente tudo, desde o cheiro até ao formato conveniente, passando pelo preço módico e as capas usualmente atraentes. A minha única reticência vai para o corpo da letra, que na mais das vezes não se compadece com a fraqueza da minha vista cansada e me obriga a rapar dos óculos de leitura.

Concluída a expedição de carácter antropológico a Old Compton, rumamos às livrarias de Charing Cross, comigo animado pela ideia de torrar algumas libras em paperbacks.

O objectivo foi cumprido na Borders, que está em liquidação, onde adquiri quatro paperbacks, ao preço médio de seis libras cada um: The Deceiver, de Frederick Forsyth, Moscow Rules, de Daniel Silva, Depths, de Henning Mankell, e Darkening Stain, de Robert Wilson.

Faz pena dar de trombas, no mesmo dia, com duas grandes livrarias (a primeira tinha sido no centro comercial Whiteley, em Queensway) a prepararem-se paar fechar portas. Mais tarde soube que o CEO a Waterstone tinha sido despedido.  A Foyles, do outro lado da rua, parece estar de saúde, mas tudo leva a crer que a vida não está para as livrarias.

Charing Cross, noite de sábado 5 de Dezembro 2009 

música: Paperback writer, Beatles
Tags:
publicado por Jorge Fiel às 18:08
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 10 de Fevereiro de 2010

Uma entrada pela porta da frente

 

Como presumo já sabem, o Soho faz-me logo recordar as canções satíricas e mordazes de Ray Davies, mas não vos importuno mais com os Kinks, banda que eu penso ter sido muito injustiçada pelo tempo, que não lhes conferiu um lugar na mesma prateleira dos Stones e dos Beatles.

Apesar da Old Compton Street, a mais famosa e agitada rua do bairro, regurgitar de gays, nós adoptamos um plano de passeio completamente straight e entramos no Soho pela porta da frente, ou seja pela Soho Square e só não acampamos no aconchegado e maneirinho jardim central desta praça, outrora um dos locais mais centrais e finecos de Londres, por duas razões poderosas: primeiro, porque estava a chuviscar, segundo porque era noite e o jardim já estava fechado.

Atravessada a Soho Square, evoluímos até à Old Compton através da Greek Street, onde, há coisa de 20 anos, me empanturrei de nachos, tacos e enchiladas, num restaurante chamado La Cucaracha (que entretanto fechou) uma refeição que permaneceu na minha memória não exactamente pela sua qualidade ou preço, mas sim porque trouxe de lá um cinzeiro que durou até há poucos meses (creio que se partiu ou extraviou na minha recente mudança de casa).

Chegados a Old Compton, que percorremos de trás para a frente e da frente para trás, deixei extravasar mentalmente algum do meu preconceito mirando os casais gay que se aproveitavam o jantar de sábado para engatar, namorar ou fazerem cenas de ciúmes.    

 Soho, noite de sábado, 5 de Dezembro 2009 

música: Dead end street, Kinks
Tags:
publicado por Jorge Fiel às 18:08
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 9 de Fevereiro de 2010

Evocação da minha ex-namorada Lola a propósito dos Kinks e de uma incursão nocturna ao Soho

 

Por muitos anos que viva (o que não será necessariamente boa notícia, nem para mim nem para o resto da Humanidade), nunca deixarei de associar o Soho, em particular, e Londres, em geral, aos Kinks, e em particular a um canção (Lola).

Alguns anos depois de Londres ter travado conhecimento comigo, no já distante ano de 1972, namorei episodicamente uma Lola, que morava em Gondomar e era irmã da namorada de um amigo meu, o Mário M. que descobriu que tinha um vigésimo premiado na tabacaria do Garça Real, na Praça D. João I, antes de almoçar comigo – como é bom de ver pagou-me um lauto almoço no Tripeiro e não na tasca da Travessa dos Congregados para onde decidíramos ir antes de sabermos que ele estava milionário.  

A minha Lola efectivamente não se chamava assim no BI e nem tenho sequer a certeza se alguma vez soube o verdadeiro nome dela. Mas era uma boa e boa rapariga, com o cabelo aos caracóis e uns olhinhos de carneiro mal morto que me encantaram. E ao contrário da Lola da canção homónima dos Kinks não era traveca. As maminhas (pequenas, mas muito ajeitadinhas) e o pipi dela eram equipamentos de origem.

Vem esta recordação da Lola, de que nunca mais soube (a última notícia que tive dela era de que tinha casado com um brasileiro rico, muito mais velho do que ela, pelo que não é impossível que neste momento seja uma viúva rica, com casas em Melres e Santos), a propósito da expedição ao Soho que fizemos, após termos levantado ferro do The Green Man, onde eu deitei abaixo uma pint de Carling Extra Cold enquanto via o Man City derrotar o Chelsea, o que me deixou satisfeito, já que, por uma daquelas irracionalidades que me caracterizam, desde que o Mourinho saiu de lá eu quero é que o Chelsea perca.

Soho, início da noite de 5 de Dezembro 2009

música: Lola, Kinks
Tags:
publicado por Jorge Fiel às 18:08
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 8 de Fevereiro de 2010

Como usei o camarada Mário para justificar ter posto os cornos a uma loura belga chamada Stella

 

Apanhado em flagrante contradição num ardente debate político, algures na primeira metade dos anos 80, Mário Soares desembrulhou-se da encrenca com aquela matreirice e ligeireza que todos lhe reconhecemos: “Só os burros é que não mudam de ideias”, respondeu e, dito isto, voltou a estar em cima da burra.

Encostado ao balcão do The Green Man, ao fim da tarde de sábado 5 de Dezembro, espreitando o Manchester City-Chelsea que passava na televisão enquanto esperava, com três moedas de libra na mão ser atendido, socorri-me da sabedoria do pai fundador da nossa democracia para cimentar um pedido que contrariava a decisão tomada cerca de 24 horas atrás, num pub em Greenwich, de colocar esta viagem sob os auspícios da Stella Artois.

“Só os burros não mudam de ideias”, repeti mentalmente quando encomendei uma pint de Carling Extra Cold. “Há que nos deixarmos contaminar pelos hábitos e marcar locais”, acrescentei no momento em que punha os cornos à loura belga a quem tinha jurado fidelidade na véspera.

Ao fim e ao cabo, a coerência não passa do último refúgio das pessoas que sofrem de falta de imaginação.

The Green Man, tarde de sábado, 5 de Dezembro 2009  

música: O mar e o navio de Sinbad, Rimski-Korsakov
Tags:
publicado por Jorge Fiel às 18:08
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 5 de Fevereiro de 2010

Onde se cita o camarada Vara (o dos robalos) e se fala do togolês Adebayor a partir do The Green Man

Aspecto exterior do The Green Man cerca das 19h00 de 5.12.2009

 

A experiência até pode estar a dar as últimas. Quando abriu falência a empresa que detinha os direitos de transmissão televisiva dos jogos da selecção inglesa de futebol, esse activo foi adquirido por um operador de Internet.

Consequência? O Inglaterra-Ucrânia, último jogo do apuramento para o Mundial da África do Sul, não esteve disponível nos ecrãs dos televisores que qualquer pub que se preze tem estrategicamente distribuídos pelas suas salas.

Ver um jogo de futebol num pub apinhado de gente com uma caneca de cerveja na mão, com os comentadores televisivos excitados e aos berros, pode por isso ser uma experiência em vias de extinção.

A coisa não foi premeditada. Quando entramos no pub The Green Man ao fim daquela tarde de sábado, estávamos longe de imaginar que ia começar a dar na televisão o Manchester City-Chelsea - e tivemos a sorte de arranjar uma pequena mesa com uma razoável visão oblíqua sobre um ecrã.

Foi fantástico ver como o pessoal vibrava. Quando o Chelsea se adiantou no marcador logo aos 8 minutos, aproveitando um momento de infelicidade  - penso que esta é a maneira correcta do comentadores desportivos profissionais se referirem a um auto-golo, da mesma maneira que a generalidade dos jornalistas escrevem que a pessoa xis morreu vítima de doença prolongada quando foi um cancro que a levou desta para melhor – do togolês Adebayor, a explosão de alegria foi tão grande que me convenci que não havia adeptos do Man City no The Green Man (o que até é natural, pois estávamos em Londres, a cidade natal do Chelsea, e não 290 km a norte, em Manchester).

Mas tive de rever essa avaliação quando cerca de meio pub se levantou como uma mola (confesso que mais uma expressão copiada dos formatos usados pelos comentadores desportivos tradicionais) quando o togolês (não sei se já repararam, mas amo esta palavra!) Adebayor se redimiu do anterior momento de infelicidade e empatou o jogo, aos 36 minutos.

Quando, já na 2º parte, o argentino Tevez  apontou aos 55 minutos o tento da vitória dos blues de Manchester, ao concretizar de forma soberba um livre directo, foi um tal pandemónio de alegria no The Green Man que eu logo me convenci que a explicação era outra. Não podia haver tantos citizens (são assim que são conhecidos os adeptos do Man City) naquele fim de tarde de sábado num pub de Londres.

Eram os adeptos de todos os outros clubes (penso que incluindo os do Notts County, Peterborough e Queens Park Rangers) que manifestavam a sua felicidade por verem os milionários blues do Chelsea levarem no pelo.

Cito o camarada Vara (que tal como eu adora robalo!) para extrair o moral desta história:  Pimenta no cuzinho dos outros é refresco para nós.

West End, tarde de sábado, 5 de Dezembro 2009 

 

música: Just the way you are, Maggie Gyllenhaal
Tags:
publicado por Jorge Fiel às 18:08
link do post | comentar | favorito

Eu ao espelho


Nasci em Maio de 1956 na Maternidade Júlio Dinis. Fiz a primária no Campo 24 de Agosto e o essencial do liceu (concluído entre o Nobre e Gaia) no Alexandre Herculano. Entre os 15 e os 21 anos fui militante da LCI. Li quase tudo que o Marx, o Lenine, o Trotsky e a Rosa Luxemburgo escreveram.
Ler mais

Pesquisar este blog

Entradas recentes

Eu sou um homem, portanto...

Reflexão sobre o time e o...

O céu não conseguiu contr...

Onde se diz mal do mercad...

O ancestral método do met...

mais comentados

últ. comentários

Há uma boa forma de distinguir um do outro; é ir à...
Tive conhecimento deste vinho," monte ermes", tint...
Num passeio à Ribeira lembrei-me de recordar algum...
prática do sexo anal estaria aumentando?Embora no ...
O autor deste artigo de peixe não sabe nada, por i...

Arquivos

Abril 2012

Março 2012

Outubro 2011

Agosto 2011

Abril 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Maio 2006

Ligações

Tags

todas as tags

blogs SAPO

Subscrever feeds