Terça-feira, 6 de Novembro de 2007

As madames do peditório...

As madames do peditório da Liga Portuguesa Contra o Cancro devem manter a estratégia agressiva do facto consumado

A minha atitude relativamente ao peditório da Liga Portuguesa Contra o Cancro tem evoluído muito com o decorrer dos anos.

Desde já esclareço que não descortino qualquer interesse pessoal a salgar os meus sucessivos posicionamentos face a tão delicada matéria. A tradição na minha família é morrer do coração, não de cancro, mas sempre tratei por igual todos os peditórios públicos - excepto a vigarice da Operação Coração do Benfica, por razões óbvias.

Desde a adolescência até aos anos de entrada na idade adulta andei a praticar uma espécie de jogo das escondidas com as madames do peditório.

O objectivo era escapar incólume ao massacre. Ganhava se chegasse ao fim dos dias de peditório sem ter sido abordado. Mas era praticamente impossível vencer este jogo.

A Liga Portuguesa Contra o Cancro esmagava o meu honesto esforço de guerrilha usando a táctica do "carpet bombing" - combinando o plantar de senhoras com o mealheiro redondo ao peito em posições fixas, em todas as esquinas, com brigadas móveis que varriam as ruas.

Repito. Era virtualmente impossível escapar. E eu bem tentava, usando como táctica de guerrilha a temporização (já devem ter ouvido falar disto nos relatos de futebol na SporTv).

Dito por outras palavras, quando divisava uma madame do peditório na esquina, a lançar pelas redondezas o seu olhar de falcão em busca de uma vítima, eu abrandava o passo até ela seleccionar e cair sobre um incauto.

Nessa altura, estugava o passo, quase corria, para ultrapassar a posição inimiga enquanto ela estava ocupada em aplicar o autocolante e receber a moedinha.

Mas todo este esforço, a tensão de andar na rua com todos os sentidos despertos, como se estivesse a pisar perigoso território inimigo, era inglório. Acabava sempre por ser apanhado ao virar da esquina, muitas vezes no último dia, quando tinha abrandado a guarda.

A reflexão imposta pelo acumular de derrotas obrigou-me a mudar radicalmente a minha política face aos peditórios. Foi uma viragem de 180º, inspirada na boa e velha máxima "Se não os podes vencer, junta-te a eles".

Passei a encarar o peditório como um imposto revolucionário que tinha de pagar para poder andar descontraidamente na rua. Mal começava um, dirigia-me para a primeira senhora que via e se ela estivesse ocupada eu esperava ordeiramente a minha vez para enfiar uma moedinha no mealheiro e receber de volta o preciso pedacinho amarelo de autocolante que ia servir de salvo conduto para circular em paz nos dias seguintes.

Estou bastante satisfeito com os resultados desta atitude de "realpolitik" que adoptei face aos peditórios
da Liga Portuguesa Contra o Cancro.

Mas devo confessar que tinjo esta atitude ordeira e cívica com uma pequena maroteira. Escondo o autocolante amarelo na parte de dentro da lapela do casaco. E depois, quando sou abordado por uma madame, desfaço-me no melhor dos meus sorrisos (que mesmo assim não é grande coisa...) viro a lapela e digo-lhe "Já dei para esse peditório"!

Este meu relacionamento calmo, adulto e estabilizado com o peditório foi sacudido este ano com aquilo que identifico como uma mudança suicida da estratégia do marketing da Liga Portuguesa Contra o Cancro.

Dei pela existência do peditório quando ao início da tarde de um dia da semana passada ia a passar junto a uma daquelas esquinas da Rotunda da Boavista que têm um balcão do Millennium (bem vistas as coisas são quase todas...) e deparei com uma madame tão parada como uma estátua, muda e queda, com o mealheiro redondo ao peito, na mesma atitude servil com que os cães São Bernardo usam o pipo de brandy.

Pasmei. Passado um par de horas voltei à esquina para ver se ela ainda lá estava. Estava e tinha-se soltado um pouco. Continuava parada, mas já falava, dirigindo-se em geral a todos os passantes e perguntando-lhes se por acaso não estavam interessados em contribuir para a Liga Portuguesa Contra o Cancro.

Ora, amiguinhas e amiguinhos da Liga Portuguesa Contra o Cancro, assim não vamos a lado nenhum. Se estão à espera que o pessoal desembolse voluntariamente a moedinha, o melhor é aguardarem sentados, para não arranjarem varizes.

É urgente regressar à política de marketing agressiva que tão bons resultados deu no passado. As madames do peditório devem continuar a ser treinadas para serem agressivas e interpelarem as pessoas, aplicando primeiro o autocolante e só perguntando depois se querem contribuir, já com a abertura do mealheiro enfiada nos olhos da vitima. A estratégia certa e vencedora é a do facto consumado. Arrepiem, por favor, caminho, enquanto é tempo, senão as finanças da Liga afundam-se mais rapidamente que o Titanic.

Jorge Fiel

 

PS. Detectei também uma diminuição significativa no efectivo de madames lançadas para as ruas.

Presumo isso que se deva à escassez de matéria prima. O que me leva a sugerir que deixem de restringir o campo de recrutamento às senhoras com pelo menos 50 anos de idade e que sejam avós - e que passem a recrutar também saudáveis moçoilas universitárias e atraentes e maduras balzaquianas.

Também não apoio a manutenção da politica de discriminação sexual. Por que é que não recrutam homens para os peditórios? Temem que o acto de aplicar um pequeno autocolante no peito de uma senhora possa ser encarado com um avanço sexual? E se for?
publicado por Jorge Fiel às 16:39
link do post | comentar | favorito

Eu ao espelho


Nasci em Maio de 1956 na Maternidade Júlio Dinis. Fiz a primária no Campo 24 de Agosto e o essencial do liceu (concluído entre o Nobre e Gaia) no Alexandre Herculano. Entre os 15 e os 21 anos fui militante da LCI. Li quase tudo que o Marx, o Lenine, o Trotsky e a Rosa Luxemburgo escreveram.
Ler mais

Pesquisar este blog

Entradas recentes

Lavandaria está agora a c...

Moscas anunciam chegada d...

Apaixonei-me pela Bona, a...

Uma folha A4 dobrada em 4...

O café do Europeijska não...

mais comentados

últ. comentários

Há uma boa forma de distinguir um do outro; é ir à...
Tive conhecimento deste vinho," monte ermes", tint...
Num passeio à Ribeira lembrei-me de recordar algum...
prática do sexo anal estaria aumentando?Embora no ...
O autor deste artigo de peixe não sabe nada, por i...

Arquivos

Abril 2012

Março 2012

Outubro 2011

Agosto 2011

Abril 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Maio 2006

Tags

todas as tags

blogs SAPO

Subscrever feeds